Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

,

Artigo: Brincar livre e saudável para as crianças de hoje

05/09/2018

*Por Adriana Friedmann
– Publicado originalmente em outubro de 2014 –

 

“Pedro e Tina” / Stephen Michael King (texto e ilustrações)

Quando falamos no brincar, associamos este ato às crianças e às infâncias. Quando pensamos no brincar, nos remetemos à nossa própria infância. Quando defendemos o brincar, cada um evoca as crianças com quem convive. Quando sentimos o brincar ou relembramos o que se sentíamos ao brincar, o corpo e a alma relembram o que é SER CRIANÇA.

O brincar é um fenômeno presente no universo infantil. De que crianças estamos falando? Não podemos mais pensar nem almejar que exista ‘a criança’, como um ideal a ser atingido, mas pensar sim ‘nas crianças’ e suas diversas realidades.

As crianças formam-se a partir da sua herança genética; da educação familiar, formal e comunitária que recebem; da influência do contexto no qual crescem; e dos vínculos que estabelecem com as pessoas mais próximas, sobretudo nos primeiros anos de vida.

Assim, a diversidade de crianças, realidades e infâncias, sobretudo olhando para as diferentes regiões, situações socioeconômicas e contextos do nosso país, constituem uma variedade impossível de ser classificada.

Mas, ao mesmo tempo, as crianças de hoje são pressionadas pela sociedade, são hipnotizadas pela mídia e o mercado, são muitas vezes privadas de viverem suas infâncias plenamente

 

Se nos detivermos e olharmos para as crianças de hoje – sempre considerando-as nos seus contextos -, se verdadeiramente conseguirmos nos despojar de teorias, juízos e preconceitos e nos abrirmos para ouvi-las, vamos descobrir um universo, ao mesmo tempo familiar e desconhecido para nós.

“Manu e Mila” / André Neves (texto e ilustração)

As crianças de hoje têm um repertório de conhecimentos, de estímulos, de criatividades que as levam a mesclar, nas suas brincadeiras, no seu jeito de brincar e de se comportar, todos esses elementos, assim como os seus conteúdos e potenciais individuais.

Mas, ao mesmo tempo, as crianças de hoje são pressionadas pela sociedade, são hipnotizadas pela mídia e o mercado, são muitas vezes privadas de viverem suas infâncias plenamente. As crianças de hoje são vítimas de uma realidade que, em grande parte as isola do contato com a natureza, do contato com os pais ou cuidadores. As crianças de hoje carecem de ritmos, de tempos e de espaços para brincarem livremente. As crianças de hoje não têm tido oportunidades para serem crianças!

Falar em ‘desenvolvimento integral saudável’ é dizer que as crianças, já desde o útero materno, passam por uma série de etapas em que seu corpo, suas emoções, seu raciocínio, sua capacidade de se vincular e comunicar-se com outros, suas habilidades e seus valores, passam por etapas lineares – com avanços e retrocessos – e por processos profundos de desenvolvimento.

As crianças, vão sendo mais ou menos estimuladas, conforme os cuidadores e os contextos em que crescem.

O brincar também é uma linguagem, uma das primeiras linguagens da natureza do ser humano.

“É assim que eu sou” / Pierre Winters (texto) e Eline van Lindenhuizen (ilustrações)

Em cada brincadeira há uma narrativa, um ‘texto’ sendo ‘escrito’ por cada criança: quando elas brincam de faz de conta, imitam, representam, se movimentam, desenham, dançam, correm, pulam, jogam com jogos de tabuleiro e participam de brincadeiras e esportes coletivos, quando tocam instrumentos, cantam, criam histórias ou recontam contos – todas linguagens lúdicas – as crianças, sem consciência, falam de si, das suas realidades, do que estão vivendo, de como estão vendo o mundo; das suas angústias, alegrias, medos, potenciais; dos seus interesses, do que sabem, do que precisam; falam desde o lugar das suas emoções.

Tudo isso é necessário, não é perda de tempo e a criança se desenvolve, cresce, aprende, se descobre e descobre o mundo

 

O brincar faz parte de um patrimônio universal, regional e cultural. O homem sempre brincou, como evidenciam, sobretudo, pinturas arqueológicas, fotografias e estudos em diversas áreas do conhecimento. Desde os anos 70, um movimento mundial de resgate de brincadeiras tradicionais, transmitidas de forma oral de uma geração para a outra, tem tido resultados interessantíssimos: publicações, incentivo a lembrar e transmitir brincadeiras com a participação de avós, pais e crianças, campanhas, cursos, congressos etc.

Um documento atual e importantíssimo, através do qual temos uma cartografia das brincadeiras das crianças de hoje no Brasil, é o Mapa do Brincar – http://mapadobrincar.folha.com.br/ – que mostra as diversas realidades lúdicas de inúmeras crianças e grupos infantis em diversas regiões do país.

O brincar precisa de tempo e espaço. As crianças têm sido tão pressionadas nos dias atuais, lotadas de atividades, obrigações e expectativas (incluindo, em muitos casos, cuidar de crianças mais novas, da casa ou trabalhar), que quase não têm tido tempos e espaços para brincarem de forma livre e saudável.

Poder não fazer nada, brincar com a imaginação, mesmo que sozinhos, escolher amigos, brincadeiras e objetos para brincar e montar suas histórias. Pintar, esconder-se, experimentar, ter contato com diversos materiais e atividades, música, movimento, arte etc.

A segurança é fundamental, mas não pode tolher o movimento lúdico das crianças. Esses respiros são essenciais para cada criança poder ser quem ela é

 

Tudo isso é necessário, não é perda de tempo e a criança se desenvolve, cresce, aprende, se descobre e descobre o mundo. Nós adultos achamos que ainda precisamos estar o tempo todo interferindo, direcionando ou controlando.

“Duda adora pular” / Stephen Michael King (texto e ilustrações)

A segurança é fundamental, mas não pode tolher o movimento lúdico das crianças. Esses respiros são essenciais para cada criança poder ser quem ela é.

Se há uma intervenção que é necessária por parte dos educadores e cuidadores é a de criar oportunidades para as crianças brincarem: se dar ao trabalho de escolher atividades, espaços, objetos e/ou brinquedos adequados para cada idade, para cada situação, para cada comportamento.

Quais os nossos desafios enquanto educadores e cuidadores? Criar espaços, tempos e oportunidades para que as crianças possam ‘falar suas linguagens’, viver suas infâncias

 

Quais os nossos desafios enquanto educadores e cuidadores? Criar espaços, tempos e oportunidades para que as crianças possam ‘falar suas linguagens’, viver suas infâncias, escolher do que, com quem e com o quê querem brincar. Observá-las (não significa vigiá-las!), escutá-las, dar espaço para o brincar livre e saudável.

Isto significa ‘conhecê-las’ e saber o que querem, o que vivem o que precisam, a partir da sua espontaneidade, nos seus momentos livres ou nas atividades dirigidas.

Assim, será possível redesenhar propostas e programas adequados, criando espaços de diálogos com as crianças de hoje. E deixar as crianças SEREM CRIANÇAS e viver suas infâncias!!

 

Adriana Friedmann é uma das mais importantes pesquisadoras da infância e do brincar no Brasil. Pedagoga, mestre em Educação, doutora em Antropologia, é criadora e coordenadora do Mapa da Infância Brasileira e do Nepsid(Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento). Dedica-se à pesquisa da brincadeira e à formação de adultos para a escuta das crianças. Autora de diversos livros, entre eles Quem está na escutaLinguagens e Culturas Infantis.

Comments ( 3 )

  • Reflexão maravilhosa a importância do brincar na infância. Como é bom ler artigos que corroboram com a nossa proposta para desenvolver as potencialidades das crianças de forma lúdica e envolvente, criando um ambiente rico de possibilidades e interações dentro de um universo cheio de descobertas para a criança criar as diferentes possibilidades de brincar e aprender sobre si , o outro e o mundo que o cerca. Parabéns pelo artigo.

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP