Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Zeca Zangado: ouvindo as crianças e conversando com elas sobre a raiva

18/11/2019

Zeca vive zangado! Explode por tudo! Qualquer coisinha o deixa enfurecido daquele jeito! Ah, Zeca é genioso, dizem. Zeca faz birra! Zeca não sabe se comportar!

Será mesmo?

A verdade é que Zeca sente que não é ouvido. Para ele, as pessoas não procuram compreender o que ele pensa ou sente. Isso o deixa tremendamente frustrado.

E duplamente bravo!

Pobre, Zeca. É muito difícil defender seu ponto de vista. Porque logo que ele percebe que não concordam com ele ou não entendem o que ele quer dizer, BUM! Explode.

Nesta divertida obra de Robert Starling, podemos refletir — nós, adultos, e também nós com as crianças — sobre sentimentos, escuta e expressão.

A raiva

Todo mundo sente raiva, e esse é um sentimento genuíno que precisa ser respeitado, permitido, ouvido. É um dos sentimentos básicos, não podemos controlar ou impedir sua existência. Ele acontece apesar da nossa vontade.

 

Lembra de Divertidamente? É mais ou menos daquela forma mesmo que nosso cérebro funciona.

Se, para nós adultos, já é difícil lidar com a raiva, imagine para uma criança pequena, que ainda está aprendendo a manejar as emoções e não sabe bem o que fazer com a intensidade do que sente.

Lembrando que as emoções são vividas e percebidas primeiro com o corpo, como sensações físicas. Quem nos conta isso é a psicóloga Daniele Rossini, do canal Bom pra Cuca.

As crianças têm o corpo ainda mais vívido do que nós, estão mais conectadas com essa dimensão delas, o que faz com que essas sensações sejam muito intensas.

Por isso, é essencial garantir e permitir que as crianças sintam a raiva. E fazemos isso em primeiro lugar não qualificando a raiva, não dizendo que é um sentimento “feio” ou que a criança “fica feia” quando está brava.

É sempre bom dizer a uma criança nesse momento que está tudo bem sentir raiva.  É um sentimento assustador para os pequenos.

Nós precisamos tranquiliza-los de que é normal, é natural, vai passar.

A expressão

Para a raiva ser manejada, precisamos ajudar a criança a descobrir o que pode e o que não pode fazer com ela.

Ou seja, é normal sentir raiva. O que precisa ser trabalhado é a forma de expressar esse sentimento tão intenso.

Para isso, primeiro precisamos entender que a criança não nasce sabendo o que é socialmente aceito ou não. O controle para corresponder a esse “acordo social” demora a se estabelecer — mesmo em adultos!

Uma criança muito pequena, sentindo raiva ou medo, pode agredir.

Ao adulto cabe compreender que esse atitude é normal e esperada, embora deva ser contida, claro. Contida com firmeza e gentileza, jamais com julgamento ou agressividade.

Uma criança que está batendo ou a ponto de bater precisa ser impedida de continuar batendo. De modo firme, mas sem raiva. Deve ouvir do adulto algo como: “você está brava e como medo. Tudo bem. Mas a gente não bate”.

É interessante oferecer a essa criança outra forma de expressão, exatamente como acontece no livro Zeca Zangado.

Funciona bem o adulto procurar colocar em palavras, no lugar da criança, o motivo da raiva. “Ah, seu colega pegou o brinquedo e você ficou brava”. Isso ajuda a ordenar e nomear as coisas, essencial.

Às vezes, a criança está cansada, estressada — muitos estímulos sem momentos de extravasar — ou simplesmente sentindo distância emocional dos pais e cuidadores, o que é tremendamente desorganizador.

A escuta

A criança precisa ser ouvida. Com nossa atenção e interesse. Como no exemplo do Zeca, que ficava ainda mais desorganizado ao sentir que as pessoas não o compreendiam.

A escuta acontece com nossa observação atenta e participante, quando conhecemos a vida, a personalidade, os desafios das crianças e, desse modo, sabemos como ajudá-las.

Muitas vezes, na correria do dia a dia, nos focamos em resolver um conflito do que em ouvir o que o originou e o que as crianças envolvidas estão sentindo.

Para que as crianças sintam que há meios mais saudáveis de se expressar do que “explodindo”, é preciso que, de verdade, sejam ouvidas antes de gritarem, baterem, se jogarem no chão.

Nem sempre dá, claro, especialmente em crianças muito pequenas, em que sentir-agir é muito fluido e rápido.

Mas há situações em que um beijo, um colo ou uma intervenção gentil pode evitar um descontrole emocional dos nossos pequenos.

E um bom colo conversa é sempre bem-vindo mesmo depois de uma crise de raiva, porque a criança vai aos poucos percebendo que há um espaço afetivo seguro para se expressar, que pode conter o ímpeto e tentar organizar o que sente em palavras, como a mamãe faz com ele quando ele se descontrola.

///

E você? Conte para a gente como são os momentos de raivas e explosões dos pequenos aí na sua casa!

 

 

 


Sem comentários no momento

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP