Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Adelsin dá dicas de brincadeiras musicais: todo barulhinho bom é música

20/11/2020

“Costumo chamar de música qualquer barulhinho bom”.

Essa frase-convite é de Adelsin – ou Adelson Fernandes Murta Filho –, brincante, educador, fazedor e pesquisador de brinquedos musicais, integrante da Casa das 5 Pedrinhas, da musicista, educadora e pesquisadora de cantingas tradicionais Lydia Hortélio.

Bora fazer um barulhinho aí na sua “floresta”? Imagem: O urso barulhento, de Nick Bland

Nascido num bairro de Belo Horizonte (MG) que ficava distante do centro, lembra bem que o cenário de sua infância, com árvores e passarinhos, tinha uma trilha sonora que ele enumera:

  • cachorro
  • grilo
  • passarinho
  • vento
  • cigarra
  • formiga
  • lagartixa
  • sapo
  • urubu
  • gavião
  • pomba
  • gambá
  • galinha
  • avião passando baixo
  • e os fogos que animavam a molecada na rua em dia de jogo no Mineirão

“Quando era menino, vivia intensamente os barulhos. Quando cresci, descobri que alguns barulhos eram música e outros eram só ruídos. Comecei, então, a colecionar e a partilhar barulhinhos bons inventados pelas crianças”, conta ele, na contra-capa de seu livro Barangandão barulhinho.

Nessa obra, realizada pela Casa das 5 pedrinhas e editada pela editora Zero ou Um em 2014, Adelsin registra e ensina a fazer 36 brinquedos inventados por meninas e meninos.

Barulhinhos de meninas e meninos

Essa preciosidade ele coletou em diversas andanças Brasil adentro, conhecendo e brincando sons e barulhinhos em muitos cantos e com materiais cotidianos, simples, que as crianças transformam em outras coisas, muito mais interessantes.

Por exemplo: nessa conversa, um pouco mais abaixo, ele vai ensinar a gente a fazer uma corneta usando garrafa PET, fruto da imaginação infantil.

Vamos combinar que é bem mais bacana ser instrumento musical do que garrafa plástica 😉

Nessas pesquisas, Adelsin descobre, registra e compartilha a força do brincar, seus ritmos e movimentos. E mostra que isso tudo pode estar bem pertinho da gente, mesmo nas grandes cidades e pequenos apartamentos.

Sobre isso que ele vem falar com a gente hoje. Neste post, você vai ler:

  • A importância do brincar
  • De que formas sua casa pode virar um brinquedão musical
  • Como fazer instrumentos musicais e barulhinhos bons

“Dá pra fazer barulho e música com tudo o que a gente tem em casa. Eu costumo chamar de música qualquer barulhinho bom, gostoso de ouvir”, diz ele.

Brincar e movimento

“Considerando o brincar como movimento do ser humano ainda criança, é muito importante que a gente crie possibilidades para que as nossas crianças façam esse exercício precioso da infância, seja em casa, em apartamento, em qualquer lugar”.

Adesin ressalta que, nesse tempo de pandemia é mais difícil, oferecer esses espaços, porque estamos todos confinados. Mas não impossível.

“O ser criança, o espírito da criança ele inventa possibilidades de brincar em qualquer lugar”.

Para ele, “o importante é que os adultos — pais, educadores, tios, padrinhos, vizinhos, quem esteja com as crianças — entendam essa necessidade das crianças de movimento e possibilitem que elas façam as experiências necessárias”, pondera.

—“

É mais importante uma criança feliz e em movimento do que uma casa arrumada

“—

Para Adelsin, um estudioso da música e do brinquedo e um amigo da mestra Lydia Hortélio, o brinquedo musical, os barulhos, as explorações sonoras que as crianças gostam de fazer são essenciais.

“A música leva a gente a territórios da sensibilidade que a palavra já não alcança”, diz ele. “Então, é muito importante exercícios sonoros, musicais, ouvir música boa com os meninos, cantar, fazer brincadeiras onde a música aparece“.

“Então dá pra gente fazer muita música com as coisas que a gente tem casa”, conta Adelsin, e dá, de saída, três ideias:

1) O corpo

“Podemos começar  com o próprio corpo. O corpo da gente, possibilita à gente fazer muitos sons interessantes, muitos barulhinhos bons.

///

2) A mesa

“A mesa também, antes da comida chegar, é uma maravilha. Pratos, garfos, colheres, copos, com tudo dá pra gente fazer uma super batucada”.

///

3) A cozinha

“A cozinha é outra fonte de festa! Panelas, tampas, colheres. A casa da gente é uma fonte inesgotável de possibilidades sonoras”.

///

Explore, deixe-se levar pela imaginação e pelo interessa das crianças! 😉

Brinquedos musicais que a gente pode fazer em casa

A gente quis saber de Adelsin quais brinquedos musicais mais bacanas para fazer em casa com as crianças. Ele trouxe três dicas, que a gente reproduz abaixo, nas palavras dele.

Ah, todos os três ele colheu por aí, conhecendo meninas, meninos e quintais, esses mundos e esses mestres 😉 Dois deles estão no livro Barangandão barulhinho, com explicações mais detalhadas de como fazer e até desenhos. A gente sinaliza quais são abaixo.

1) Flauta de canudo de mamão

“Olha, tem um que eu adoro, que eu aprendi em vários lugares com crianças diferentes, que é [feito com] um canudo, [um] tubo qualquer, onde a gente faz um buraco e põe, em uma das extremidades, um pedacinho de plástico, de sacolinha plástica amarrada”, começa ele.

Esse é um dos que está no livro e, por lá, ele recomenda usar um tubo de cerca de 20 a 40 cm de comprimento.

Faz-se um corte retangular (como uma canaleta) ou furo a cerca de 5 cm da ponta do tubo, onde o pequeno músico vai soprar. Em uma das extremidades, prenda um pedacinho de sacola plástica (pode usar elástico ou algum tipo de fita adesiva mesmo).

“Aí então a gente, ao invés de soprar, tocar, a gente canta ali e nossa voz vai vibrar e vai sair então uma melodia. A gente pode então tocar qualquer cantiga, fazendo de conta que está tocando. Na verdade, a gente vai estar cantando nessa flautinha”.

///

2) Corneta de garrafa pet

“Também a gente pode fazer, usando o fundo de uma garrafa pet, o cone da garrafa, [a parte onde fica a boca mesmo]. A gente corta [a garrafa, deixando só essa parte] e bota um plástico [entre a boca da garrafa e a nossa]. Ao cantar, vai acontecer a mesma coisa [que na flauta], vai ter um som semelhante”.

Esse brinquedo também faz parte do livro e é muito fácil de fazer. Cantando próximo ali do bocal da garrafa, mas com ele “protegido” pelo plástico, o plástico vai vibrar a canção e fazer sons bastante divertidos e diverso.

///

3) Bola que canta

“Outra coisa que é muito legal de fazer, que é um brinquedo de movimento e é sonoro também, é brincar com balão, bola de soprar ou bexiga, como vocês chamam aqui em São Paulo”, sugere.

“Basta encher e soltar, que ela sai voando e fazendo um barulho interessante. Depois, a gente pega, enche de novo, abre um pouquinho o bico e deixa sair aquele barulhinho. Depois, a gente dá um nozinho e começa a passar a mão, fazendo o barulho da nossa mão raspando na bexiga”.

“E depois, que é o melhor de tudo, a gente joga ela para cima, porque o balão é uma bola que a gente pode brincar dentro de casa, porque ela não quebra nada, ela é muito levinha. Ficar brincando de não deixar o balcão cair é outra maravilha, e aí a gente vai ficando feliz, e alegria é o que move o mundo”.

E ele finaliza: “Boas brincadeiras!”

///

E você? Do que tem brincado? Que músicas tem feito?

 


Sem comentários no momento

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP