Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Muitos jeitos de conhecer o mundo

26/11/2018

*Por Fabíola Farias

Sempre que pensamos em leitura e formação de leitores, o que nos vem imediatamente à cabeça é a literatura. Parece haver uma relação quase obrigatória entre esses dois lugares. É bom que seja assim, que a literatura esteja intransigentemente presente em nossas vidas, pois os textos literários nos dizem do mundo, do tempo e de quem somos, incluindo as relações que vivemos, de um jeito que contempla aspectos e nuances improváveis fora da experiência artística (penso aqui no espanto de Riobaldo ao saber, às nossas vistas, que Diadorim era uma mulher, numa das criações mais bonitas de todos os tempos).

“O livro secreto das princesas que soltam pum” / Ilan Brenman (texto) e Ionit Zilberman (ilustrações)

Sustentadas nesse entendimento, que muitas vezes nem chega a ser um entendimento, mas sim um costume, uma prática, seguimos oferecendo, quase exclusivamente, livros de literatura às crianças e aos adolescentes em casa, na escola e na biblioteca. Mas, como a própria literatura e as artes, de maneira geral, nos revelam, o mundo é grande, complexo e nos abre muitos caminhos para sua compreensão, extrapolando o que nos toca direta e objetivamente.

Ainda incomum por aqui, para além dos chamados “livros paradidáticos” e especialmente entre as crianças, a leitura de textos não literários, identificada por muitos professores, bibliotecários, editores e pesquisadores como “informativos”, aos poucos se apresenta aos pequenos leitores brasileiros. Os temas são os mais diversos e despertam a curiosidade das crianças: dinossauros, o céu e as estrelas, vulcões, animais exóticos, florestas, breves biografias de cientistas e artistas, a vida e a morte em diferentes culturas, a sexualidade…

Por isso, precisamos fortalecer a produção, a publicação e a circulação dos livros não literários entre as crianças e estimular seu interesse pelo conhecimento em suas mais diversas abordagens. Em perspectivas distintas e interdependentes, literatura, artes e ciência devem fazer parte da educação das crianças, desde muito pequenas, contribuindo para a formação de uma visão ampliada e diversa do mundo. Infelizmente, o conhecimento científico ainda se restringe ao básico na educação brasileira, especialmente no que toca à rede pública de ensino.

São quase inexistentes os laboratórios, escassas as visitas a museus e a reservas ambientais e muito limitadas ao currículo a apresentação e a discussão de crenças e sistemas de pensamento que explicam o mundo e a vida. Podemos dizer que falta mesmo uma abordagem das ciências em seus princípios de indagação e investigação, anterior ao conhecimento específico que produzem.

Sabemos que, isoladamente, os livros e as leituras, assim como a escola, podem muito pouco. Mas esse pequeno poder traz em si uma também pequena promessa: pensar e compreender quem somos a partir das narrativas e do conhecimento produzido pela humanidade ao longo do tempo e do espaço.

Sem hierarquia definida, cabendo a cada pessoa a construção de sua trajetória, leituras literárias e científicas fazem parte de qualquer formação que tenha no horizonte o desenvolvimento humano e a ampliação de liberdades, desde a infância.

Fabíola Farias é graduada em Letras, mestre e doutora em Ciência da Informação pela UFMG. É leitora-votante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e, atualmente, realiza estágio de pós-doutorado na Universidade Federal do Oeste do Pará – Ufopa. 


Comments ( 3 )

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP