Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Adoção de pets durante o isolamento social: ideias e livros para se inspirar

14/09/2020

Seu filho ou sua filha adora bichos? Vive pedindo um cachorro? Um gato? Peixe? 😉 Crianças realmente costumam se apaixonar por animais de estimação.

Crianças e animais, combinação feliz! 😉 Imagem: Oi, au-au, de Adam Stower

Não à toa: no fundo, os pequenos sabem o que faz bem!

Afeto que faz bem

São muitos os estudos que mostram como é bacana para os pequenos a convivência com os bichos! Por exemplo, conviver com animais desde cedo pode melhorar a imunidade, a sociabilidade e diminuir a ansiedade.

Além disso, os pets funcionam como um “norte afetivo”, nas palavras da neuropsicóloga Danielle Rossini. Ao mesmo tempo em que eles aceitam as brincadeiras das crianças (os mais disponíveis deles), também sabem colocar os limites.

“[Essa convivência] é um modulador da cognição social das crianças, [uma forma] de elas entenderem o limite do outro de maneira incrível”, diz Danielle.

Ainda mais numa época tão atípica quanto essa, na qual as crianças estão longe de amigos, avós, da escola, socializando apenas com quem está em casa.

Será que é hora de adotar um pet?

De acordo com um levantamento da ONG Ampara Animal, aumentou em 50% a procura pela adoção de animais domésticos neste período de isolamento social.

Você animou por aí? As crianças, como estão? Doidas para aumentar a família com um integrante peludo e de quatro patas (ou com escamas e nadadeiras, ou com penas e asas)?

Os bichos também sentem afeto pela gente! Imagem: Filhotes de bolso, de Margaret Wild (texto) e Stephen Michael King (ilustrações)

Será que é mesmo a hora? A gente separou aqui algumas ideias e livros que podem ajudar você e sua família a pensar a respeito.

  • As ideias são da Danielle Rossini;
  • Logo em seguida, indicamos três livros que trazem animais e afetos, pois nada melhor que uma boa história e as artes para dialogar com as crianças!

Ah, o primeiro deles você pode ler na íntegra on-line por aqui! \o/ \o/ \o/

3 dicas para inspirar e refletir

Do bate-papo rico com Danielle Rossini, trouxemos para cá essas três dicas:

1) Disponibilidade emocional

“Bicho em casa implica disponibilidade afetiva… 😉 Por isso tanta gente aproxima a relação com os pets a esse lugar materno e paterno que a gente ocupa.

Precisa muito dessa disponibilidade afetiva, porque os pets demandam atenção, demandam carinho, que a gente esteja ali para eles também.

Cada um tem um jeito, tem famílias que vão deixar dentro de casa, outras que vão deixar do lado de fora. Mas acho que tem que respeitar um pouco esse lugar, que é: eles precisam da gente”, nos diz Danielle.

Sua família está disponível?

///

2) Espaço físico e na rotina

Para Danielle, “as escolhas precisam considerar mesmo os limites físicos, porque bicho precisa de espaço. Então é legal pensar nos limites físicos, para trazê-los sem estressá-los”.

Tem animais que precisam de mais espaço, outros menos. Tem aqueles que vão precisar de adaptações no ambiente — gatos requerem janelas teladas, arranhadores… –, os que precisam de saídas na rua…

Analise se o espaço físico é adequado e se há espaço também na rotina para acomodar os novos integrantes…

///

3) Responsabilidades tem a ver com idades

“Esse compartilhar o cuidado das crianças com os bichos têm de ser muito ponderado pela idade das crianças.

Acho que ter essa responsabilidade real, de fato, para as crianças implica [estarem em um] estado de cognição mais estabelecida, que só acontece a partir do 7, 8, 9 e até 10 anos.

Mas elas participarem dos cuidados de maneira rotineira, isso pode ser desde sempre. Então, fala: ‘vamos lá comigo dar comida para os cachorros, vamos lá comigo tirar o cocô’.

Isso vai ensinando para ela um senso de responsabilidade, um senso de que tem um outro que demanda dela e que ela é responsáveis também por isso.

Mas, para as crianças serem de fato responsáveis por algo, vale a pena a gente ter ensinado isso desde sempre, mas delegar para eles quando eles tiverem essa estrutura um pouquinho mais pronta, ali perto da consciência e da atenção um pouco mais madura, perto de uns 7 ou 8, 9, 10 anos de idade”, recomenda Danielle.

///

3 livros sobre bichos 😉

Separamos aqui alguns livros que trazem os bichos como protagonistas e que podem mostrar pontos de vista bem interessantes na relação que vamos construir com eles.

Isso tudo com arte, bom humor e narrativas afetivas!

1) Oi, au-au

Autor: Adam Stower
Ilustrador: Adam Stower
Tradutora: Gilda de Aquino
Temas: Conto / Jornal e cartaz / Animais de estimação / Humanos / Imaginação / Responsabilidade
Faixa Etária: A partir de 2 anos

Lili sempre quis ter um “au-au”. Um dia, ela deu sorte: tinha um “au-au” enorme bem no seu quintal! Mas não era um “au-au” qualquer…

>>Por que ler:

Todo escrito em caixa alta, esse livro, indicada ao Kate Greenaway Medal 2012, da Inglaterra, mostra de forma muito divertida e bem-humorada o desejo que as crianças sentem por cuidar de um animal, mesmo que ele não seja exatamente “de estimação” 😉

O diálogo entre ilustração e texto, que exploramos bem no post aqui embaixo — não deixe de ler! –, é um dos pontos altos desta divertida obra!

“Oi, au-au” mostra a delicadeza das relações e dos olhares das crianças

Esta obra está disponível para leitura on-line! Aqui, ó:

>>leia!<<

///

 

2) Amélia e o peixe

Autora / Ilustradora: Helga Bansch
Tradutor: José Feres Sabino
Temas: Defesa dos animais / Amizade / Respeito às diferenças
Faixa Etária: A partir de 3 anos

Em seu primeiro dia à beira-mar Amélia se sente intimidada pelo novo ambiente: as ondas e o cheiro da maresia a deixam um pouco desconfortável. A súbita aparição de um simpático peixinho, que se transforma num colega de brincadeiras, deixa-a mais à vontade, mas quando a menina decide tomar o peixe para si, precisa aprender os limites e as diferenças entre afeto e posse.

>>Por que ler:

Com as ilustrações incríveis da premiada Helga Bansch, esse livro coloca uma questão por vezes esquecida pelos pequenos diante de tanta vontade de ficar junto dos bichinhos: animais são seres vivos e livres, não são objeto. Essa obra retoma a ponderação feita por Danielle Rossini sobre a regulação emocional, o refinamento social e o “norte afetivo” que ela pontua.

 

Qual é o limite do outro? Os animais nos ajudam a achar essa resposta de um jeito incrível. Imagem: Amélia e o peixe, de Helga Bansch

///

3) Filhotes de bolso

Autora: Margaret Wild
Ilustrador: Stephen Michael King
Tradutora: Gilda de Aquino
Temas: Conto / Onomatopeia / Animais / Humanos / Animais de estimação / Amizade / Amor
Faixa Etária: A partir de 2 anos

Seu Totó é um verdadeiro apaixonado por cachorros, daqueles bem pequeninos, que cabem até no bolso! Não há lugar em que não leve seus dois melhores amigos, Bife e Bufe. E leva os dois sabe onde? Nos bolsos, claro!

>>Por que ler:

Delicada história de Margaret Wild, ilustrada com os traços sensíveis do premiado Stephen Michael King, esse livro é um convite a pensar na profundidade do afeto que nos une aos nossos irmãos de quatro patas. E ajuda a refletir que, sim, eles também gostam da gente. Bicho sente 😉

///

E você? Conte para a gente como que bichos moram por aí.

 

 

 

 

 

 


Sem comentários no momento

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP