Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

O premiado ilustrador e autor Guilherme Karsten é o convidado de hoje!

11/12/2019

Você, que sempre procura bons livros para seus filhos e filhas, conhece o Guilherme Karsten? Pois se ainda não, chegue mais e conheça, aqui, um pouco do trabalho desse autor incrível.

Guilherme Karsten, 36 anos, nasceu, cresceu e vive em Blumenau, Santa Catarina. Especializado em Design Gráfico e publicitário de formação, ele se dedica a ilustrar livros infantis desde 2010, quando ganhou um concurso de ilustração para novos ilustradores realizado pela Livraria da Vila.

Desde lá, acumula livros e prêmios. Em 2019, por exemplo, foi um dos 10 brasileiros indicados para participar da BIB (Bienal Internacional de Bratislava), na Eslováquia. Lá, levou o prêmio BIB Plaque, a placa de ouro da bienal.

Na China, também neste ano, sua obra Aaahhh!, que saiu fora do Brasil pela editora Thames&Hudson, ganhou o Golden Pinwheel Young Illustrators Competition International. Esse é um concurso promovido pela Feira do Livro de Shangai, organizada pela Feira de Bolonha, a maior e mais importante do mundo.

Pela Brinque-Book, em parceria com Ilan Brenman, publicou Mãenhê! e Conversa para pai dormir. A parceria com Brenman deu origem a outras obras, por outras editoras, como o Agora (Sesi), finalista do Jabuti 2018 em ilustração. Sua obra solo Carona recebeu menção honrosa no Prêmio Internacional Serpa de Livro Ilustrado, de Portugal, em 2017.

Acho que minha mente está sempre brincando, pensando nas coisas mais nonsenses e quase impossíveis de explicar para os outros

Guilherme Karsten

 

Com todo esse currículo,  não admira a criatividade e as respostas divertidas que você vai ler a seguir, neste Brinque-Book Brinca. A brincadeira, você já sabe, funciona assim: 10 perguntas divertidas, com respostas irreverentes.

Bóra brincar! Lembrando que todas as imagens desse post são de livros do Guilherme publicados pela Brinque-Book ou pela Escarlate, como Era uma vez 20, cuja imagem de Carmen Miranda abre o texto. O livro é uma parceria com a Luciana Sandroni.

///

Quem é você?

Primeiramente, o marido da Beatriz, pai do Lucca e do Vicente.

Segundamente, um cara que desenha desde que se conhece por gente; que um dia decidiu jogar sua pasta de desenhos fora, pois ser ilustrador não é uma profissão com um futuro garantido; que tem no currículo estudantil uma formação em técnico contábil e que hoje trabalha como ilustrador e não sabe fazer nem o próprio imposto de renda.

Quem faz livros é o quê?

Um livrador? Que livra as mentes da dor do dia a dia? Que é capaz de fazer os leitores saírem de onde estão para experimentar novas ideias, novos mundos, viajar?

Como é o lugar em que você trabalha?

É legal demais: tem mesas para todos, inclusive para meus filhos. Tem um sofá, almofadas, estante com muitos livros e até um violão para desbaratinar.

Tem café e uma planta que, está quase sempre morrendo… Mas minha esposa sempre dá um jeito nela. Costumo dizer que é o nosso happy place.

Quais são suas técnicas prediletas para desenhar, escrever, ilustrar e imaginar?

Não tenho um padrão. Meus livros são sempre diferentes uns dos outros, pois me canso facilmente de fazer o mesmo trabalho. Sempre estou de olho em técnicas diferentes, estilos diferentes, me instiga. Mas 99% do meu trabalho é feito diretamente no computador, praticidade é algo que me deixa mais feliz.

Uma curiosidade é que nunca faço os layouts, apenas rabiscos algumas ideias de organização dos elementos de uma cena e começo a criar, pintar, alterar, reposicionar, etc., até finalizar a imagem.

Agora, imaginar não tem lugar ou momento, é algo que pratico o tempo inteiro, minha mente está sempre imaginando, criando.

Outra curiosidade, a história do meu livro Carona surgiu do nada, enquanto eu tomava banho! A partir desse dia, decidi que tomaria banho toda semana 😉

Guilherme Karsten

 

Como é que você tem uma ideia para escrever ou desenhar? E como tira ela da cabeça e coloca no papel?

Não sei dizer exatamente, mas algumas fagulhas surgem na minha mente. Às vezes, em forma de uma imagem que parece me contar uma história. E essa coisa fica  incomodando a minha cabeça por dias, preciso encontrar um meio e um fim para esta história.

O momento de escrever é a pior parte. Nunca me sinto bom o suficiente para escrevê-la, mas quando mergulho nela, me divirto demais. É muito boa a sensação de criar as situações, encontrar as palavras certas, eis que vira a melhor parte.

Outra curiosidade, a história do meu livro Carona surgiu do nada, enquanto eu tomava banho! A partir desse dia, decidi que tomaria banho toda semana 😉

Qual foi a ideia mais brincante que você teve e que virou livro?

Acho que foi o Carona mesmo, gosto demais da ideia e da brincadeira das palavras. Foi muito suor para encontrar as palavras certas para cada situação, e os personagens são sem pé nem cabeça.

Seus lápis e cadernos brincam com você?

Acho que não muito, eu é que não brinco muito com eles. Fico mais na tablet e no teclado do computador. Mas meus filhos sempre os consolam. Riscam e rabiscam o tempo inteiro.

Quando não tem ninguém olhando, do que você brinca? E quando tem alguém olhando?

Vixe, não sei… acho que minha mente está sempre brincando, pensando nas coisas mais nonsenses e quase impossíveis de explicar para os outros.

Faço a mesma coisa quando estão olhando para mim, afinal não vêem o meu pensamento.

Em que momento, lugar, clima, hora do dia ou posição você mais gosta de ler, escrever ou desenhar?

Compramos um sofá novo lá em casa, eis o meu novo melhor lugar para ler, mas não dura mais do que um minuto, pois algum dos filhos vem participar, aí acabou o sossego.

O que me resta é a minha cama. Quando todos estão dormindo, ligo o meu abajur e me divirto. Escrever e desenhar sempre no meu estúdio, não importa o momento, toda hora é hora.

O que você mais gostava de ler quando criança? Mudou muito para os dias de hoje?

Minha infância não foi de muita leitura, não; tive pouco contato com livros, mas eu adorava ler e desenhar o Recruta Zero.

Agora que virei adulto é que comecei a ler livro para a infância. Talvez lá pelos meus 80 anos eu comece a ler livros para adultos.

///

E você? Conte para a gente os seus lugares preferidos para ler! Ou: do que você brinca quando ninguém está olhando?


Sem comentários no momento

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP