Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Folclore e cultura: cinco curiosidades e um livro premiado sobre o Saci

25/10/2019

Em resumo Um dos principais personagens da tradição oral brasileira, o Saci é de origem indígena, tem influências afro e portuguesa, chegou aos países vizinhos e à música de Villa-Lobos

No dia 31 de outubro, o Brasil comemora o Saci. Personagem mais popular e forte do nosso folclore e dos contos de tradição popular, o Saci – também conhecido como Saci-Pererê, Matim-Pererê, Matita Perê e Matintapereira – é um menino travesso, que diverte-se fazendo traquinagens.

Nasce em brotos de bambu, onde vive por sete anos. Depois, fora dos brotos, vive por mais 77. Segundo a lenda, ele vem em (e causa) redemoinhos, gosta de espantar animais e emaranhar a crina dos cavalos, assobia para assustar e confundir os viajantes e, dentro das casas, queima a comida, azeda o que já está pronto, troca açúcar pelo sal…

Sua lenda espalhou-se pelo Brasil, juntou influência indígena, portuguesa e africana e chegou até a América do Sul, onde há a figura do Yaci-Yateré,  cuja história e cujos poderes atribuídos a ele são um pouco diferentes do nosso Saci e mudam de país para país.

Saci nos inspirou a pesquisar a lista abaixo, que revela um “cadinho” a mais sobre o menino que fuma cachimbo, protege as matas e domina os pés-de-vento.

  • Cinco curiosidades sobre o Saci-Pererê

O Boto, personagem de “Quem matou o saci?” / Alexandre de Castro Gomes (texto) e Cris Alhadeff (ilustrações)

1) Lenda indígena

 

A origem do Saci é, muito provavelmente, uma lenda indígena do sul do Brasil, da época do Brasil Colônia, entre o final do século XVIII e o começo do XIX.

O nome “saci” é guarani e corresponde a um pássaro. Interessante dizer que Saci não é uma única criatura, mas o nome de um grupo, de uma classe: há vários sacis floresta adentro.

 

2) Gorro português e um pé na África

 

Como um bom brasileiro, o Saci tem um pé na aldeia, outro na África e um dedo em Portugal. De lá de além-mar vem, mais especificamente, seu gorro vermelho. Estudiosos acreditam que o gorro — que carrega seus poderes mágicos — tem origem no trasgo português, uma lenda da região de Trás-os-Montes, que fala de um pequeno ser da floresta tão travesso quanto o nosso.

Já o pé que falta ao saci, dizem, ele perdeu numa luta de capoeira, herança da cultura e da leitura afro, incorporada à lenda.

 

3) Guardião da floresta

 

Na lenda, o Saci é perito em chás, ervas, infusões e cura pelas plantas. Por isso, é tido como guardião das florestas, especialmente das plantas. Nasce do broto de um bambu e domina a floresta, conhece seus meandros e defende os seres que nela habitam.

Essa característica faz dele parecido com outros seres fantásticos da mitologia popular, como a caipora (do centro-oeste) e o matintaperera (do norte).

 

4) Monteiro Lobato e seu Saci

 

As histórias do Saci são típicas do Sul e do Sudeste e bem fortes nessas duas regiões, mas espalharam-se por outras Brasil afora e adentro. Um dos responsáveis por esse feito é o escritor Monteiro Lobato. Em 1918, ele, um paulista do interior do Estado, fez uma espécie de convocatória pelo jornal O Estado de S. Paulo: pediu que as crianças enviassem a ele o que sabiam sobre o Saci.

Dessa “entrevista” com seus leitores, Lobato publicou, em 1921, o livro Saci-Pererê: um inquérito, que, mais tarde, viria a se transformar em uma de suas mais célebres obras, O Saci.

 

5) Villa-Lobos, Tom Jobim e outros músicos

 

O Saci foi homenageado em muitas músicas importantes da MPB e mesmo da tradição erudita. O maestro Heitor Villa-Lobos, por exemplo, escreveu uma marcha chamada “Saci” para a quinta parte de sua suíte Petizada.

Tom Jobim canta o Matita Perê em Águas de Março, canção do álbum que leva esse nome do moleque travesso. E O vira, de João Ricardo e Luli, foi gravada pelos Secos e Molhados de Ney Matogrosso nos anos 7o falando nas criaturas da floresta, como bruxas e sacis.

 

  • Livro premiado

Foi justamente esse personagem folclórico e tão brasileiro que inspirou o livro Quem matou o Saci, de Alexandre de Castro Gomes (texto) e Cris Alhadeff (ilustrações).

A obra, selecionada para o PNLD 2018, ganhadora do selo Seleção Cátedra 10 em qualidade infantojuvenil e que alcançou o topo das vendas da Amazon no ano passado na categoria infanto-juvenis de mistério, conta a história de uma dupla de detetives que investiga o assassinato do Saci Perererira.

Nessa investigação, narrada pelo diálogo de texto com imagem, muitos seres folclóricos e mitológicos vão sendo interrogados ao mesmo tempo em que a dupla de autores conta um pouco de suas histórias.

///

Você tem alguma história de família — de avós, bisavós, tataravós — que envolva o Saci? Conta para a gente!

 


Comments ( 2 )

  • Contei esse livro o ano passado para uma turma de 5.o ano.O livro “Quem matou o saci?”,foi contado em capítulos ,com todo suspense a cada dia.Foi muito curtido pelas crianças e falam até hoje nessa história!!!Parabéns livro muito interessante!

    • oi, Paula, tudo bem? Obrigada pelo comentário. Também gostamos muito desse livro! Conte mais detalhes para gente: a contação acontecia em sala ou na biblioteca? Um abraço e obrigada. Equipe Blog da Brinque

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP