Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Blog
 
 

BLOG

Como se organizar e manter a rotina nesse período de #FiqueEmCasa

26/03/2020

Trabalhar de casa tem lá suas vantagens. Quem está acostumado com o home office sabe que é muito bom poupar tempo de deslocamentos, fazer as refeições em casa, ter autonomia.

Mas há muitos desafios, entre eles disciplina, organização e separar bem o que é público (o trabalho) do que é privado (a casa).

Organizar bem para não misturar a casa com escritório. Ilustração de A princesa e as ervilhas, de Caryl Hart (texto) e Sarah Warburton (ilustração)

Nesse momento em que estamos todos fazendo home office — e com as crianças em casa também! — vale prestar atenção em algumas dicas para facilitar — e manter — a rotina.

Por que manter a rotina

Estabelecer uma rotina e sustentá-la, aliás, é a “dica zero” desse post – e por três motivos principais:

1. A rotina dá “contorno” para adultos e crianças, ajuda a organizar um pouco essa experiência de estar em quarentena, sem poder sair de casa, nova para todos.

2.Para as crianças pequenas, a rotina é essencial, mesmo na normalidade, porque ajuda nossos filhos a antecipar o que vai acontecer a seguir em seu dia, diminuindo a ansiedade. Num momento como esse, então, nem se fale…

3.Com todo mundo em casa, tentando equilibrar demandas diversas, só mesmo na base da organização para viabilizar a vida prática — do trabalho e lição de casa online ao filminho no fim do dia.

Organizando tudo

Vamos organizar então? Aqui vão então cinco dicas básicas, práticas e relativamente fáceis de fazer acontecer. E que com certeza farão a diferença aí na sua casa 😉

1) Estabeleça os horários

Que horas você quer (ou precisa) estar de pé? E as crianças? Com menos atividades no dia a dia delas e sem deslocamentos para cursos, escola etc, talvez seja possível dormir um tico a mais, certo? Mas até que horas?

E a hora de comer? O almoço, o lanchinho da tarde, o jantar…

Vai ter um momento de sentar no chão e brincar junto com os pequenos? Fazer uma experiência? Coletar folhas no quintal? Assistir juntos a uma contação no meio da tarde?

Vale estabelecer pelo menos parâmetros de horário. Não precisa seguir à risca, como se fosse um relógio inglês, mas é ótimo ter uma orientação para não deixar o ritmo escapar.

E para dar conta das demandas das crianças.

Programe momentos para atividades de afeto com os pequenos. Ilustração de Uma família é uma família é uma família, de Sarah O’Leary (texto) e Qin Leng (ilustrações)

Em casa, elas costumam pedir mais atenção, comidinhas… Combinando com elas com antecedência quando esses momentos de afeto e relaxamento vão acontecer, fica mais fácil para elas se organizarem e lidarem com a expectativa.

2) Defina as atividades de todos

Num papel, escreva quais são todas as suas demandas diárias: de arrumar a cama, por exemplo, àquela entrega inadiável ao trabalho.

Faça o mesmo com as das crianças.

Qual o melhor horário para a aula online? Imagem de Já sei ler, de Patricia Auerbach

Se for tudo bem para você, use um calendário online para registrar essas demandas. Esse tipo de calendário, como o do Google, para citar um, permite que você marque algumas tarefas como recorrentes.

Isso facilita sua vida na hora de organizar aquilo que você ou as crianças têm que fazer rotineiramente: você marca uma vez só no calendário e define que é uma tarefa recorrente. Pronto! A tarefa ficará repetida no calendário digital diariamente, semanalmente, como você definiu.

Uma vez feito isso, procure identificar a rotina que melhor vai se encaixar nessas demandas.

Quer dizer: se você sempre tem compromissos de trabalho por volta de 15h, melhor almoçar às 12h30 e procurar uma boa contação online para os pequenos lá pelas 14h30 😉

3) Crie a rotina com os pequenos

Para criar a rotina, que vai definir o que cada um tem de fazer e em que momento do dia, a dica é chamar as crianças para participar.

Defina o que elas podem decidir na rotina delas e convide-as para isso, sempre de acordo com a idade, a autonomia possível de decisão, claro.

Se a criança for muito pequena, ela pode ajudar criando um desenho ou um calendário com os horários diários numa folha, por exemplo.

O importante é ouvir os pequenos, afinar a escuta: a oposição deles a alguma decisão nossa deve ser compreendida com empatia; não é fácil para eles também. E sempre vale buscar o diálogo.

O diálogo é fundamental na hora de organizar o cotidiano. Ilustração de Marie-Louise Gay em Mustafá

Se seu filho quer fazer a lição às 14h ao invés de às 11h, como você sugere, pense se mudar vai ser mesmo um problema ou, no fundo, tanto faz.

4) Tire os pijamas

Passada a fase de organização, é hora de arregaçar as mangas e fazer valer o decidido.

Mas é essencial que essas mangas arregaçadas não sejam as dos pijamas! Tanto para nós, quanto para os pequenos, alguns marcos são definidores e organizadores. E esse é um deles.

Levantou da cama, tem que de trocar de roupa, se vestir de acordo com a situação: não estamos de férias. As crianças têm tarefas, nós temos trabalho.

Com que roupa eu vou? Sem pijamas! Ilustração: Olha que eu viro bicho… de jardim, de Lalau (texto) e Laurabeatriz (ilustrações)

Ainda que entrem — aqui e ali — um momento (essencial) de maior relaxamento e convivência em família, há demandas a dar conta e é preciso respeitar essa necessidade e esse espaço simbólico menos informal e privado.

Especialmente em casa, onde o espaço físico mesmo é todo da ordem do privado e pessoal.

5) Separe os espaços

Falando em espaços, se possível, o ideal é não misturar o que é home com o que é office 😉 Ou seja, a mesa da cozinha é para fazer refeições, a bancada do escritório é para trabalhar.

Claro que ao longo do dia, acabamos levando o computador para a mesa da sala, onde estão as crianças. E tudo bem. Mas procure manter, mesmo na mesa da sala, um espaço delimitado para o seu trabalho e outro para as crianças fazerem um lanche.

O mesmo vale para o caso de não haver uma mesa separada de trabalho.

Ainda que você trabalhe na mesa das refeições, procure ter um banco próximo que sirva de apoio para os seus materiais de uso mais comuns, e organize um “canto” seu na mesa.

Setorize o espaço para não misturar as coisas. Ilustração de Qin Leng em Uma família é uma família é uma família, com texto de Sarah O’Leary

Do outro lado, arrume o “canto” das crianças.

Uma toalha para o lanche colocada no “lado das crianças” da mesa ajuda a fazer esse limite, por exemplo.

Outra ideia é usar o computador como limite, tanto para você quanto para os pequenos: não colocar nada seu para lá de seu computador, nem deixar as crianças “se espalharem” na mesa para além dos gadgets que elas estiverem usando na lição online.

///

E você? Como tem organizado sua rotina? Tem alguma experiência para acrescentar nas nossas dicas?

 


Comments ( 2 )

    • oi, Lidiane, tudo bem? Que ótimo que gostou! Espero que as dicas sejam úteis por aí. Se quiser, depois comenta aqui com a gente como estão lidando por aí com essa questão. Abraços!

Grupo Brinque-Book
Rua Mourato Coelho, 1215 - Vila Madalena
São Paulo - CEP 05417-012 - SP